top of page
  • Secom

Fase Continental na América Latina e Caribe: "Esperança crescente de um novo tempo para a Igreja"



"É possível caminhar com Cristo no centro e deixarmo-nos guiar pelo Espírito de Deus. Temos a esperança crescente de viver já um novo tempo para a Igreja". Com estas palavras de um dos participantes da Fase Continental do Sínodo, começa a Síntese da Fase Continental do Sínodo da Sinodalidade na América Latina e Caribe, refletindo o entusiasmo que o processo suscitou.


Uma síntese em 107 parágrafos, que reúne o que foi vivido numa Igreja de experiências participativas e que é alimentada pela diversidade social e cultural de cada região, o que motivou a realização de 4 encontros regionais nos quais participaram 415 pessoas, de acordo com a população de cada país e a diversidade dos ministérios eclesiais, reunindo 423 sínteses com intuições, tensões e temas a aprofundar, aos quais se juntou o resultado de algumas outras realidades.


Os encontros foram marcados pela espiritualidade, um clima de encontro com Deus e um sentido de comunidade fraterna para além da diversidade. O que foi reunido foi utilizado para a elaboração desta síntese, realizada de 17 a 20 de março na sede do Celam, que foi feita com base no discernimento à luz do Espírito, cujo resultado foi apresentado aos secretários-gerais e presidentes das conferências episcopais, na presença do Cardeal Jean-Claude Hollerich S.J., relator do Sínodo; Dom Luis Marín de San Martín, subsecretário da Secretaria Geral do Sínodo; e o P. Giacomo Costa, coordenador da Comissão Preparatória do Sínodo.


Começando pela Introdução, que aborda a questão de uma Igreja numa chave sinodal, e na qual se destaca a longa história da vida conciliar, sinodal e colegial no continente, o texto é dividido em 8 partes, tentando responder à pergunta da Secretaria do Sínodo: "como é que este 'caminhar juntos', que permite à Igreja proclamar o Evangelho, de acordo com a missão que lhe foi confiada, se realiza hoje a vários níveis (do local ao universal) e que passos nos convida o Espírito a dar para crescer como Igreja sinodal?”.


O primeiro ponto da Síntese fala do papel de liderança do Espírito numa Igreja sinodal, que desde Pentecostes "a leva a fluir e a percorrer a história com relevância e significado e que a conduz pelos caminhos da renovação e do futuro", encorajando-a a uma autêntica conversão, procurando superar "a tentação do intimismo, fundamentalismos e ideologias que nos fazem disfarçar de querer Deus quando são a busca de interesses particulares".


Num segundo momento, é abordada a sinodalidade do Povo de Deus, sempre num caminho de esperança, um povo peregrino "que percorre a vida em busca da felicidade". A partir daí, insiste-se que "o Povo de Deus a caminho é o tema da comunhão sinodal", sublinhando que "a sinodalidade ajuda-nos a ser uma Igreja mais participativa e corresponsável". Uma comunidade de irmãos e irmãs, "chamados a ser sujeitos ativos, participando no único sacerdócio de Cristo".



A sinodalidade, como se afirma na terceira secção, é a forma de ser e de agir na Igreja, a partir da catolicidade de um rosto pluriforme, que tem como fonte de vida e inspiração para discípulos missionários, a Eucaristia, a Palavra de Deus, a religiosidade popular. Esta Igreja sinodal tem de assumir na sua forma de ser e agir um discernimento comunitário baseado na escuta mútua do Espírito e no diálogo verdadeiro e confiante, algo que tem como método de conversa espiritual, com o qual intuições, tensões e prioridades emergem, permitindo-nos falar livremente sobre questões desconfortáveis e dolorosas, numa experiência de relação horizontal.


Uma Igreja missionária sinodal é o elemento presente no quarto ponto, que mostra a urgência de "estruturas que assegurem uma sinodalidade missionária, incluindo todos os membros da periferia". Uma Igreja missionária ao serviço da fraternidade universal, que dá continuidade à "missão de Jesus, contribuindo para o crescimento do Reino". Uma missão que não é proselitismo, é "a proclamação alegre e gratuita de Jesus Cristo e do seu mistério pascal a toda a humanidade, numa relação intercultural", encarnando o Evangelho nas culturas através da participação de todos os batizados, superando uma Igreja preocupada em resolver problemas internos e uma evangelização centrada no pecado, que reconhece o papel da mulher na transmissão da fé.


A quinta secção reflete sobre a sinodalidade como um compromisso socioambiental num mundo fragmentado. Isto baseia-se no fato de que a sinodalidade motiva a Igreja a sair de si mesma e a colocar a si própria e toda a sua missão ao serviço da sociedade. A realidade do continente é analisada, fragmentada, desigual, com marginalização e exclusão, com forte polarização ideológica e política, denunciando "o distanciamento das Igrejas locais da realidade", perante o qual se mostra que uma Igreja sinodal é chamada a "ser uma Igreja mais profética e samaritana", chamada a "ouvir o grito dos povos e da terra", com um agir ecuménico e inter-religioso, que também deve ser levado a cabo no mundo digital.


A conversão sinodal e a reforma das estruturas ocupam a sexta secção, uma dinâmica a que o Concílio Vaticano II apela e que o Papa Francisco recuperou, algo que provoca tensões, mas que também exige processos e espaços de escuta, diálogo e discernimento que conduzam a uma autêntica sinodalização de toda a Igreja, o que requer formação em diferentes áreas, também de seminaristas, e a obrigação dos diferentes Conselhos nas dioceses e paróquias.


Vocações, Carismas e Ministérios numa chave sinodal é uma reflexão presente na sétima secção, insistindo na sua diversidade e no fato de que "a Igreja é um Povo profético, sacerdotal e de serviço real, onde todos os seus membros são súbditos", com uma grande diversidade de ministérios. Isto exige "um profundo discernimento comunitário sobre quais os ministérios a criar ou promover à luz dos sinais dos tempos, especialmente entre os leigos", que deve levar a “participar nas instâncias de decisão aos leigos e, especialmente, as mulheres e jovens", ajudando a superar o clericalismo, entendido como a expressão do autoritarismo clerical. Por esta razão, apela a um repensar do modelo de ministério ordenado.


Finalmente, a oitava secção contém as contribuições do itinerário sinodal da América Latina e Caribe, centrando-se em quatro questões centrais: a primeira, as relações mútuas entre eclesialidade, sinodalidade, ministerialidade e colegialidade; a segunda, a emergência de uma eclesialidade sinodal renovada, que está a impulsionar o desafio de imaginar reformas sinodais em mentalidades, atitudes, práticas, relações e estruturas eclesiais; a terceira, as contribuições da tradição sinodal do Povo de Deus no continente; a quarta, ser uma Igreja de igrejas e uma comunidade de comunidades.


Tudo isto, juntamente com as contribuições das outras seis regiões e continentes, constituirá a base do Instrumento de Trabalho que acompanhará os participantes na Assembleia Sinodal a realizar em outubro próximo.


Por Luis Miguel Modino, assessor de comunicação CNBB Norte1.

6 visualizações0 comentário

Yorumlar


bottom of page