• Secom

"A missão não é algo isolado ou um evento com data marcada, ela precisa acontecer todos os dias"



A Igreja celebrou em outubro, o mês missionário, e com ele a Campanha Missionária. Neste ano, a campanha trouxe o tema “A Igreja é missão”, acompanhada da inspiração bíblica escolhida pelo Papa Francisco: “Sereis minhas testemunhas” (At 1,8).


Neste ano em particular, o Brasil celebra o Ano Jubilar Missionário, pois a Campanha Missionária completa 50 anos de história. O próprio Santo Padre, em sinal de sinodalidade, nos enviou uma mensagem acerca deste momento marcante para nossa Igreja no Brasil: “'A Igreja é missão', junto com o lema 'Sereis minhas testemunhas', conclui uma sequência de três anos em que se destacou a natureza da Igreja. Em 2019 o tema foi 'A vida é missão', já em 2020 foi 'Jesus Cristo é missão'”.


O Papa Francisco, no início do seu pontificado, já convocava todos nós, Igreja, a vivermos em um estado permanente de missão, isto é, sermos a “Igreja em saída”, que promove a cultura do encontro, cura as feridas, vai às periferias, aos campos e aos lugares onde não se conhece a Alegria do Evangelho. Meditemos que o Papa não fala somente de conhecer o Evangelho, mas de conhecer a alegria que o Evangelho nos traz. O anúncio precisa ser feito com alegria para que o outro ao ouvir, sinta e experimente essa mesma alegria.


A palavra “missão” vem do latim “mitto”, que significa “enviar”. Se pararmos pra pensar, toda a vida da nossa Igreja está ligada intimamente a missão: o Pai, enviou o Filho para nos redimir; o Filho, enviou o Espírito Santo para nos santificar e o Espírito Santo envia a Igreja: pela efusão dos Seus dons.

A essência da Igreja, sempre foi e precisa continuar sendo a missão. E não poderia ter outra essência que não essa, pois Jesus foi o Maior Missionário de todos os tempos. Ensinou e convocou Seus Apóstolos e Discípulos a também serem missionários. Chamou e continua a chamar cada um de nós, nas diferentes realidades e formas de vida, a sermos missionários, a estarmos nesse estado permanente de missão. Essa missão, dada a cada um de nós no nosso Batismo, precisa ser cultivada e vivida com empenho e ardor, todos os dias da nossa vida. A missão não é algo isolado ou um evento com data marcada, ela precisa acontecer todos os dias, em todos os lugares. A Vida, Morte e Ressurreição de Jesus foi uma missão. A vida dos santos, foi uma missão; eles nos ensinaram que mesmo e apesar de nossa pequenez e nossos pecados, a nossa vida também precisa ser missão para, e em favor de outros.


A Igreja em sua sabedoria, começa o mês missionário celebrando a grande padroeira das missões, Santa Teresinha do Menino Jesus. Ela nunca saiu dos muros do Carmelo de Liziex, porém, dedicava sua vida e suas orações por todos aqueles que fisicamente desbravaram as fronteiras mais inimagináveis possíveis, para que a Boa nova do Reino, chegasse a todos. O que isso nos ensina? Não precisamos ir pra outro país, Estado ou cidade para sermos missionários. A missão está em nós. Em todo e qualquer lugar podemos e devemos ser missionários. No mundo em que vivemos, se faz necessário, tanto quanto no tempo de Jesus, falar do Reino.


A nossa realidade não é tão diferente da que Jesus encontrou aqui. Vivemos diversas realidades e culturas. Muito se falou de Deus, mas muito mais ainda é preciso se falar. Há muitas pessoas que precisam experimentar desse Deus que é próximo e que nos ama incondicionalmente. Existem muitos irmãos nossos vivendo uma realidade mais vulnerável. Quando Jesus anunciou o Reino, falou dos prediletos Dele: os pobres. São eles os mais necessitados desse anúncio. E hoje também, o anúncio precisa ser feito não só com palavras (Tg 2, 26). O anúncio missionário do Reino de Deus precisa ser realizado com gestos concretos. Jesus assim o fez e nos ensinou. Há quantos ele curou, alimentou, saciou, ouviu, acolheu... todos esses gestos, foram ações concretas do Reino de Deus. O que devemos nos perguntar é: como e onde eu estou anunciando o Reino de Deus? O Senhor me enviou como missionário. Tenho cumprido tal missão?


Que o Espírito Santo nos dê ânimo, coragem e ousadia para seguirmos em frente com a missão a nós confiada, como anunciadores e fazedores do Reino de Deus, especialmente, no meio dos pobres e pequenos. Amém!


Dom Elio Rama, IMC

Bispo da diocese de Pinheiro e referencial para

a Pastoral da Criança e Pastoral da Pessoa Idosa


208 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo