top of page
  • Secom

Vocação: uma resposta, um ato de amor


Dia do Catequista é celebrado no último domingo do mês de agosto | Foto: Pascom São Cristóvão/Arquidiocese de São Luís

Estamos no último domingo do mês das vocações, agosto. Durante todo este mês, fomos convocados pela Igreja para intensificarmos nossas orações pelas vocações, suplicando ao dono da messe que desperte no coração dos nossos adolescentes e jovens, o desejo de seguir a Cristo Bom Pastor, e pela fidelidade e perseverança dos que corajosamente responderam sim a este chamado. A cada domingo deste mês rezamos por uma vocação específica.


No 1º domingo rezamos pelos ministérios ordenados: bispos, padres e diáconos; no 2º por todas as famílias, lembrando a vocação à vida matrimonial; no 3º lembramos da vida consagrada religiosa; no 4º rezamos pelo protagonismo do laicato nos diversos serviços e ministérios na igreja; e no 5º domingo rezaremos em comunhão com os catequistas.


O que é ser catequista? É ser um educador da fé, que a partir da Palavra de Deus, motivado pelo Espírito Santo, transmite um pouco do que aprendeu ao longo da sua vida, mas sobretudo vivencia os valores do Evangelho, partilhando, à quem precisa aprender um pouco mais; é um ser humano cheio de Deus que comunica Jesus Cristo às pessoas a Boa nova do Reino.


Quem é o catequista? Jovem, adulto, homem, mulher que assume radicalmente o seu batismo, testemunha e resplandece com a própria vida o infinito amor de Deus, e torna-se um(a) colaborador(a) na Igreja, se colocando a serviço para ajudar, orientar crianças, adolescentes, jovens e adultos à buscarem o caminho da fé, para que conhecendo Jesus Cristo e amando sua Igreja, alcancem a maturidade na fé e testemunhem com a própria vida o amor de Deus.


Afirma o Diretório para a catequese: “No conjunto dos ministérios e serviços, com as quais a Igreja cumpre sua missão evangelizadora, o ministério da catequese ocupa um lugar significativo, indispensável para o crescimento da fé.” (DC 110)

O(a) catequista é este(a) irmão(ã), referendado (a) pela comunidade, colaborador (a) no projeto de evangelização, que leva a boa notícia a muitas pessoas e lugares; é este(a) missionário(a) chamado(a) a ser no mundo sal e luz, que recebe em seu coração a semente da Palavra e sai à caminho para semear a Boa Nova do Reino contribuindo na caminhada dos filhos (as) amados (as) do Pai, cumprindo assim a missão a ele(a) confiado (a); conhecer Jesus, anunciar o reino de Deus, a testemunhar com a vida o seu amor, a todos os cantos; no lar, na escola, no trabalho, na igreja e em toda sociedade, sinal de vida e esperança.


Ele(a) não é um(a) funcionário(a) da Igreja ou prestador(a) de serviço, mas alguém que pela vivência da sua fé, pelo testemunho de


vida, se coloca a serviço da Igreja, respondendo ao apelo de Deus. É alguém, que em meio a tantos afazeres e preocupações, encontra um tempo para dedicar à orientação, educação e formação de pessoas que possam um dia conhecendo Jesus e amando a sua Igreja, afirmar: “sei em quem depositei minha confiança”.


Queridos(as) catequistas, vocês foram chamados por Deus para transmitirem a outras pessoas o que um dia vos ensinaram, vocês aprenderam e hoje vivenciam. Esta é uma missão de amor, por amor e em nome do amor.



Nesse dia, nossa gratidão ao Pai, pelo sim dado de cada um de vocês, que assumem esta bela missão, por esta vivência amorosa e transmissão da graça divina. Amando, vocês ensinam a amar, vivendo a fé, vocês testemunham a importância da fé em um Deus único e verdadeiro; sendo sal e luz vocês apontam também o caminho que deve ser seguido, para que indo ao encontro de Jesus, muitos possam com Ele estabelecer uma verdadeira amizade, uma relação de amor e confiança. Catequistas, amando ensinem o verdadeiro amor.


Com carinho e estima,


Pe. Admilson de Jesus

Diocese de Xingu, Altamira - Pará

27 de agosto de 2021




38 visualizações0 comentário
bottom of page