top of page
  • Secom

VII Plenária Estadual da Rede Mandioca celebrou 15 anos da articulação



Por Zema Ribeiro*


Oriundos de mais de 30 municípios de todas as regiões do Maranhão, 110 representantes de comunidades e grupos produtivos filiados à Rede Mandioca estiveram reunidos em Vargem Grande entre os últimos dias 19 e 21 de outubro. Em sua sétima plenária estadual, a Rede Mandioca, que está completando 15 anos em 2023, elegeu também sua coordenação estadual para um mandato de três anos, quando deve acontecer sua próxima plenária, e revisou sua Carta de Princípios, documento que norteia as ações de seus filiados, na adoção de princípios agroecológicos e da economia popular solidária.


Era um momento de refletir sobre passado, presente e futuro da iniciativa, surgida em um contexto de combate ao trabalho escravo – em 2008 o Maranhão era um dos recordistas em fornecimento de mão de obra – e avanços na melhoria da produção e comercialização de derivados da raiz que empresta o nome à rede, mas que acabou se expandindo para campos os mais diversos, como a criação de pequenos animais, o extrativismo e o artesanato.


A VII Plenária Estadual da Rede Mandioca teve por tema “15 anos fortalecendo a agricultura familiar agroecológica e lutando por direitos” e uma mesa no primeiro dia de programação buscava olhar os desafios de fortalecer a agricultura familiar em rede, formada por filiados à Rede Mandioca e por Lucineth Machado, secretária executiva da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, organismo da Igreja Católica que anima a articulação.


“A diversidade da Rede é um retrato da sociedade que a gente sonha e deseja”, afirmou ela, referindo-se aos integrantes ali reunidos, entre muitos jovens e adultos, lavradores, catadores, mulheres e negros. “A Rede vem se fortalecendo como organização e dando visibilidade e importância a pessoas historicamente invisibilizadas”, continuou.


Ao longo de sua história a Rede Mandioca já implementou 27 casas de farinha, facilitando e melhorando o trabalho de produção de farinha de mandioca. Com apoio da Fundação Interamericana (IAF na sigla em inglês), implantou os fundos de crédito rotativo solidário, que é retroalimentado com o pagamento dos que acessam o crédito. Já foram apoiados 41 grupos em 20 iniciativas, totalizando 53 projetos, desde 2019. Desde sua implementação o fundo já concedeu crédito solidário na ordem de 460 mil reais.


O lavrador Zé Vando, do Assentamento Alegre (em Alto Bonito, Riachão/MA), formado por agricultores familiares que vivem da terra, afirmou que “foi através da Rede Mandioca que me tornei o homem que sou”. A articulação ajudou a melhorar também a autoestima dos agricultores filiados e, neste sentido, comprova o sucesso da iniciativa no combate ao trabalho escravo.


O jovem – como Zé Vando havia vários outros presentes – já percebe que é possível viver dignamente da agricultura familiar e, não enxergando isso como motivo de vergonha, permanece em seu lugar. Sua comunidade foi uma das beneficiadas com casas de farinha, fazendo a produção do lugar saltar de sete para 25 sacas diárias.


“A agricultura não pode ser vista como um castigo”, complementou o agricultor familiar Zé Filho, de Loreto/MA. “É necessário que estejam em pauta políticas públicas voltadas para agricultura familiar e juventude, para a geração de trabalho, emprego, renda e dignidade. A Cáritas tem mostrado possibilidades concretas, com os fundos de crédito rotativo solidário, que têm mudado a vida de comunidades e grupos produtivos”, continuou. A Rede Mandioca tem ajudado a mudar uma realidade literalmente de fome, algo de que atualmente nenhum membro seu padece.


Na manhã do segundo dia de atividades, o advogado e ambientalista Guilherme Zagallo realizou uma análise de conjuntura, citando questões como o calor que assolava o Brasil – e particularmente o município de Vargem Grande, que chegou a registrar temperaturas de 40ºC durante o encontro –, relacionando-o a contexto de opção de sucessivos governos por modelos equivocados de desenvolvimento. “2023 provavelmente será o ano mais quente da história”, advertiu. O palestrante também não esqueceu do desmantelo político vivido pelo Brasil após o golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff do Palácio do Planalto, em 2016, e tudo que o sucedeu.


Zagallo trouxe diversos dados em sua intervenção, entre eles a taxa de pobreza no Maranhão (58,9%, a maior do Brasil), estado que ainda tem maioria da população em zonas rurais, apesar de o quadro estar se revertendo progressivamente, com cada vez mais a ocupação de áreas urbanas. O Maranhão tem a segunda maior taxa de trabalhadores informais do país: 59,4%. “A presença maciça de jovens à plenária é algo que me chama a atenção”, disse. Ele destacou ainda o impacto do uso de agrotóxicos na vida e na saúde da população, lembrando o recorde de liberações de vários tipos do produto durante o governo Jair Bolsonaro (2019-2022).


Há cerca de ano e meio – devido a um adiamento causado pela pandemia de covid-19 – a Rede Mandioca vem sendo pesquisada. Um grupo de professores e estudantes das Universidades Federal (UFMA) e Estadual do Maranhão (UEMA), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema), vem traçando o perfil dos filiados à rede.


O professor Marcelo Carneiro (do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da UFMA), observado por estudantes e demais presentes à plenária, apresentou os resultados da citada pesquisa, que será publicada em livro em breve. As incursões em campo do Grupo de Estudos e Pesquisas Trabalho e Sociedade (GEPTS), apontam dados interessantes: se a maior parte dos respondentes estudou apenas até a quarta série, 3,5% dos entrevistados cursa ou concluiu o nível superior.


75% participa de sindicatos, 24% de cooperativas e 68% de associações – a soma dos percentuais é superior a 100 por muitos deles fazerem-no simultaneamente. O resultado da pesquisa traz inúmeros outros dados, com informações sobre o perfil produtivo dos grupos filiados à Rede Mandioca e o volume de sua produção.


A tarde do segundo dia foi dedicada a intercâmbios: os participantes do encontro visitaram experiências filiadas à Rede Mandioca, nas zonas urbana e rural de Vargem Grande, incluindo a Cooperativa Agroextrativista dos Pequenos Produtores Rurais de Vargem Grande (Coopevarg) e grupos produtivos no bairro Rosalina, além de povoados como Sororoca, Caetana, Remédios e Riacho do Mel.


E a noite foi de festa: uma feira da agricultura familiar aconteceu no Centro de Comercialização Quilombola de Piqui da Rampa, como parte da programação da plenária, com a presença da sociedade local, além de apresentações culturais como tambor de crioula e forró pé de serra e a comercialização da produção de grupos filiados à Rede Mandioca.


Pe. Isaque (pároco de São Benedito do Rio Preto/MA) celebrou a missa de encerramento do evento, com alguns avisos ao final – traduzindo a metáfora da articulação estar em movimento, ou seja: o encontro acabava, o trabalho não. A Rede Mandioca – junto com as Pastorais Sociais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB Regional NE 5) e outras organizações da sociedade civil – irá participar do processo de criação da lei de iniciativa popular para proibir a pulverização de agrotóxicos por aviões mobilizando a coleta de assinaturas em todo o Estado. E na Romaria da Terra e das Águas, que irá acontecer ano que vem, fazendo o percurso entre Santa Inês e Pindaré-Mirim, serão distribuídas e plantadas mudas de árvores de diversas espécies – a recomendação é que cada romeiro e romeira leve mudas e sementes, distribuindo e assim ajudando a reverter as altas temperaturas no planeta. Pela disposição dos envolvidos, nem mesmo o calor forte os fará esmorecer.


*ZEMA RIBEIRO é jornalista. Coordenador de produção da Rádio Timbira, produz e apresenta os programas Balaio Cultural (com Gisa Franco, aos sábados, das 13h às 15h) e Radiola Timbira (aos domingos, de meio-dia às 13h). Escreve no Farofafá

13 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page