top of page
  • Secom

“O que nos une é a missão, é o seguimento de Jesus”, dom Gilberto Pastana, presidente do Regional Nordeste 5 da CNBB

Com a conclusão da primeira privativa de 2024, os bispos do Maranhão retornam às suas dioceses reafirmando o compromisso com a evangelização


Reunidos em São Luís (MA), os bispos estiveram juntos em privativa por quatro dias consecutivos. Foto: Ribamar Carvalho.

O Conselho Episcopal Regional – CONSER, reunião também conhecida como Privativa dos Bispos, realizou entre os dias 15 e 18 de janeiro, seu primeiro encontro de 2024, na casa das Irmãs de São José de São Jacinto, no bairro do Filipinho, em São Luís-MA. O evento acontece duas vezes ao ano, sendo uma reunião a cada semestre.


O CONSER é formado pelos bispos do Regional Nordeste 5 da CNBB, a Igreja no Maranhão. Nesta privativa, estiveram presentes dom Gilberto Pastana, arcebispo de São Luís do Maranhão e presidente do Regional Nordeste 5; dom Valentim Meneses, bispo da diocese de Balsas; dom Evaldo Carvalho, bispo da diocese Viana; dom Francisco Lima, bispo da diocese de Carolina; dom João Kot, bispo da diocese de Zé Doca; dom José Valdeci Mendes, bispo da diocese de Brejo; dom Rubival Cabral Britto, bispo da diocese de Grajaú; dom Sebastião Bandeira Coêlho, bispo da diocese de Coroatá; dom Sebastião Duarte, bispo da diocese de Caxias do Maranhão; e dom Vilsom Basso, bispo da diocese de Imperatriz, e a secretária executiva, Martha Bispo. Dom Armando Martin Gutiérrez, bispo da diocese de Bacabal; e dom Elio Rama, IMC, bispo da diocese de Pinheiro, estiveram ausentes por motivo de saúde.


“Foi um encontro muito produtivo, de profunda partilha e reflexão, pois o que nos une é a missão, é o seguimento de Jesus”, afirmou dom Gilberto Pastana, presidente do Regional Nordeste 5 da CNBB.

Evangelizar na realidade maranhense

No segundo dia do Conselho (16/01), os bispos receberam a visita dos representantes das Pastorais Sociais/Repam, além da participação do professor do departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Maranhão, Francisco Gonçalves, que fez uma leitura do atual cenário político-social do Maranhão e Brasil.


Na oportunidade, os epíscopos apreciaram a análise construída pelas Pastorais Sociais/Repam com um resumo das ações realizadas em 2023 e seu ponto de vista em relação às tratativas de cunho social que também devem ser vistas e revistas pela Igreja.


O encontro de escuta das Pastorais sociais/Repam aconteceu na terça (16/01).Foto:ArianaFrós

“Nós fomos tocados pela análise. É lamentável nós constatarmos ainda a grande pobreza em nosso estado do Maranhão, a violência. E, sobretudo, a violência entre os jovens, a violência contra indígenas, contra posseiros, e o mais grave disso tudo é que muitas vezes essas pessoas (assassinos) não são presas, muitas vezes não são julgadas. Vimos também os problemas sérios ainda, sobretudo, na questão da infraestrutura das nossas cidades, da educação e da saúde, e é com este povo que estamos trabalhando, é com este povo que nós estamos evangelizando, e como o evangelho é gerador de vida, a fé passa por essas realidades”, pontuou dom Gilberto Pastana.


O futuro da evangelização no Maranhão


Na quarta-feira (17/01), houve o tradicional encontro com a Organização dos Seminários e Institutos Filosófico-Teológicos do Brasil – OSIB. Além da direção do IESMA, que na oportunidade foi decidido a mudança de nome da instituição, que, a partir desse momento, passou a se chamar de Faculdade Católica do Maranhão.


“Tivemos uma tarde toda refletindo sobre a nossa formação dos futuros presbíteros, como fazer com que formação ajude os nossos seminaristas a crescerem no chamado que Deus faz a cada um deles”, evidenciou dom Pastana.


O Jubileu de 2025 e os acompanhamentos do processo da Igreja Sinodal, pois em outubro deste ano será a Assembleia de encerramento do Sínodo. O calendário pastoral e a agenda do regional também estiveram entre as pautas da privativa.


“Foi uma partilha muito fraterna de nossa condição de bispos. Nós que somos responsáveis em cuidar do povo de Deus, mas como nós cuidamos de nós mesmos? Então, tivemos uma partilha muito bonita entre nós, muito fraterna, muito humana, e muito comprometedora no sentido de que cada vez mais a gente vê um episcopado coeso, um episcopado que tem uma preocupação em agradar ao Senhor, em realizar a missão que Ele confia a cada um de nós”, finalizou dom Gilberto Pastana.


Um episcopado que tem uma preocupação em agradar ao Senhor, em realizar a missão que Ele confia a cada um de nós.

A privativa encerrou na quinta-feira (18/01), com a oração universal do Pai Nosso, seguida de um almoço fraterno entre os bispos, e despedida. A próxima reunião acontecerá no segundo semestre do ano, na diocese de Grajaú.


Referenciais

Todos os dias os epíscopos rezarem juntos a Santa Missa.Foto:MarthaBispo

Cada bispo de nosso regional é referencial para uma ação de evangelização. Confira a seguir a relação dos referenciais:


  • Dom Armando Martin Gutiérrez: Pastoral Familiar.

  • Dom Elio Rama: Pastoral da Criança e Pastoral da Pessoa Idosa

  • Dom Valentim Meneses: COMIRE; Pastoral do Menor, Pastoral do Dízimo, Movimentos e Conselho de Leigos.

  • Dom Evaldo Carvalho: Cáritas, CIMI e Pastoral da Sobriedade

  • Dom Francisco Lima: Coordenador do grupo de Análise de Conjuntura da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e referencial para Pastoral da Educação, Cultura, Ensino Religioso e CPT.

  • Dom Gilberto Pastana: PASCOM

  • Dom João Kot: Vida Religiosa Consagrada

  • Dom José Valdeci Mendes: Ação Sociotransformadora: Conselho Pastoral dos Pescadores, Pastoral Carcerária, Pastoral da Mulher, Pastoral Afro, Pastoral dos Surdos, Pastoral do Povo de Rua, Pastoral da AIDS; e Comissão do Ecumenismo e do Diálogo Inter Religioso.

  • Dom Rubival Cabral Britto: Catequese

  • Dom Sebastião Bandeira Coêlho: Ministérios Ordenados

  • Dom Sebastião Duarte: Comissão para Liturgia e CEBs

  • Dom Vilson Basso: Juventudes, Movimentos (Terço dos Homens, Apostolado e Legião de Maria).

 

77 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page