• Secom

Mês da Bíblia: um convite à reflexão da Palavra de Deus

“todos vós sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3,28d)


Da Redação

A partir da data em que a Igreja celebra o dia de São Jerônimo, presbítero e doutor da Igreja responsável pela tradução da bíblia para o latim (língua oficial da Igreja na época), surge as primeiras experiências de dedicar o mês de setembro às reflexões dos textos bíblicos. A primeira experiência do mês da bíblia aconteceu em uma paróquia em Minas Gerais e, em seguida, o Regional Leste 2 realizou um momento dedicado a bíblia. Pelo sucesso das experiências surge a motivação de consolidar o mês de setembro como mês da bíblia.


“O mês da bíblia é de fato colocar em prática todo ensinamento que o Concílio Vaticano II nos trouxe. O Vaticano II e os seus documentos insistem no estudo da Bíblia e pede que a Bíblia seja devolvida ao povo, que ela seja colocada nas mãos do povo para poder ser lida, refletida e vivida”, conta Martha Bispo, secretária executiva da CNBB Regional Nordeste 5 e membro do Centro de Estudos Bíblicos do Maranhão.


O Centro de Estudos Bíblicos – CEBI, está presente no Maranhão desde 1985, porém foi fundado em 1979. O CEBI está presente na Arquidiocese de São Luís, Pinheiro, Brejo, na diocese de Viana, na diocese de Balsas, na diocese de Coroatá. Segundo Martha Bispo, secretária executiva da CNBB Regional Nordeste 5 e membro do Centro de Estudos Bíblicos do Maranhão, o CEBI Maranhão tem realizado atividades de formação, cursos para assessores e assessoras, semanas bíblicas, curso de formação bíblica, estudo e encontros para reflexão sobre a mulher na bíblia, a leitura feminista da mulher na bíblia.


A CNBB oferece subsídios para que a Igreja no Brasil vivencie da melhor forma este mês, e Martha Bispo motiva o Regional NE 5, a vivenciar este tempo forte da Igreja no Brasil. “Convido a cada um, a cada uma, a cada comunidade, paróquia, diocese a fazerem estudos da Carta aos Gálatas e, sobretudo, vivenciar a palavra, a partir do que a Carta aos Gálatas nos fala”.


Mês da Bíblia, 50 anos

A Igreja no Brasil instituiu o Mês da Bíblia a partir da urgência de anunciar a Palavra de Deus e a beleza de fazer ecoar no coração dos ouvintes a Palavra que renova e impulsiona à missão. À luz do Concílio Vaticano II, o Mês da Bíblia foi criado para mobilizar o aprofundamento e a vivência da palavra, através de um itinerário com a Palavra com um tema específico para cada ano.


Para esse jubileu do “Mês da Bíblia”, em 2021, o tema escolhido é a Carta de São Paulo aos Gálatas e o lema é “todos vós sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3,28d), extraído do “hino batismal”, descrito em Gl 3,26-28, quando Paulo afirma que todos são filhos e filhas de Deus. Esse tema e o lema do “Mês da Bíblia 2021” estão em sintonia com o evangelho do Domingo da Palavra de Deus, que é extraído de Mc 1,14-20, quando Jesus inicia a sua missão, após a prisão de João Batista.


“A Carta aos Gálatas nos diz que não deve haver diferença, e que devemos viver o projeto de Jesus Cristo. Ela nos diz que não existe mais homem, mulher, grego, judeu, quer dizer, não existe mais diferença entre o ser humano”, explica Bispo.


Como surgiu o Mês da Bíblia?

O Mês da Bíblia surgiu em 1971, na arquidiocese de Belo Horizonte, por ocasião da celebração do seu cinquentenário. As Irmãs Paulinas, através do Serviço de Animação Bíblica (SAB) deram o primeiro impulso, e posteriormente a CNBB assumiu-o como uma proposta nacional.


Entre seus objetivos estão o de contribuir para o desenvolvimento das diversas formas de presença da Bíblia, na ação evangelizadora da Igreja, no Brasil; criar subsídios bíblicos nas diferentes formas de comunicação e facilitar o diálogo criativo e transformador entre a Palavra, a pessoa e as comunidades.

12 visualizações0 comentário