• Secom

“Em cada voluntário vai também a Igreja, se aproximando desses irmãos”


“Estive preso e vieste me visitar” (Mt 25, 36). É com esse lema que a Pastoral Carcerária, pastoral social ligada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), age junto às pessoas presas e suas famílias.


Para celebrar os 50 anos da Pastoral Carcerária no Brasil, os agentes intensificam ações pelos presídios do país. Rosenilde Melonio, coordenadora da Pastoral Carcerária da diocese de Viana, explica o objetivo da pastoral.


“A Pastoral passará lá iniciou no Rio de Janeiro com um trabalho é feito dentro dos presídios, através da Igreja Católica. Começaram a celebrar a liturgia. Começaram a fazer uns trabalhos, algumas atividades. De lá houve uma grande assembleia. Depois, eles fizeram um documento e enviaram pra CNBB e foi aprovado. Então, no dia 9 de agosto, completa 50 anos que a pastoral carcerária leva a palavra de Deus, cuida dos direitos humanos desses internos, e também dá assistência à família”, relatou Rosenilde.

No Maranhão, uma dessas experiências da pastoral aconteceu na diocese de Viana, no 10 de agosto, e com apoio de dom Evaldo que acompanhou os agentes durante uma dessas visitas e presidiu a celebração em alusão aos 50 anos da Pastoral Carcerária no Brasil.


Em sua homilia Dom Evaldo Carvalho destacou a importância da Pastoral Carcerária e seu papel junto aos irmãos em privação de liberdade. “Hoje é um dia muito especial para os agentes da Pastoral Carcerária e para todos nós! Em cada voluntário vai também a Igreja, se aproximando desses irmãos e levando uma palavra de esperança à luz da Palavra de Deus”.


No final da celebração, a Pastoral Carcerária promoveu uma pequena confraternização com a participação dos internos, dos agentes penitenciários e diretores da unidade prisional.



“Foi muito bonito ver esses irmãos rezando, sorrindo e até cantando de forma alegre e descontraída mesmo num ambiente de prisão”, disse dom Evaldo Carvalho.

Segundo informações da Pastoral Carcerária, o Brasil tem atualmente a terceira maior população carcerária do mundo, em contínuo e exorbitante aumento desde o início dos anos 90, sendo, em sua maioria, grupos sociais marginalizados e empobrecidos, destacadamente jovens, negros e moradores/as das periferias e das áreas urbanas socialmente mais precarizadas. Com agentes presentes em todos os Estados do país, a Pastoral Carcerária acompanha e intervém na realidade do cárcere brasileiro de forma cotidiana.


Com informações e fotos da Pastoral Carcerária da diocese de Viana.

57 visualizações0 comentário