• Secom

Após consulta popular, Campanha da Fraternidade em 2023 voltará a tratar do tema da “Fome”

O Conselho Episcopal Pastoral (Consep) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) definiu, no dia 17 de dezembro, o tema e o lema da Campanha da Fraternidade (CF) de 2023. A escolha do tema “Fraternidade e Fome” se deu a partir da consulta feita ao Povo de Deus realizada por meio de plataformas pela internet. O lema escolhido foi “Dai-lhes vós mesmos de comer!” (Mt 14,16).


De acordo com o secretário-executivo de Campanhas e subsecretário-adjunto geral interino da CNBB, padre Patriky Samuel Batista, as mais de cinco mil respostas foram discernidas levando em consideração o objetivo da Campanha da Fraternidade: “Despertar a solidariedade nos fiéis e na sociedade em relação a um problema concreto que envolve a sociedade brasileira, buscando caminhos de solução à luz do Evangelho”.


Padre Patriky reforça que a CF é celebrada no período quaresmal e convida os católicos a imitarem a misericórdia do Pai repartindo o pão com os necessitados, fortificando nosso espírito fraterno.


Cartaz da CF de 1985

A Igreja e o tema da fome


O tema da fome foi abordado na Campanha de 1985. Dois grandes eventos marcaram a Igreja no Brasil em 1985: a realização do 11º congresso Eucarístico Nacional realizado em Aparecida (SP) e a Campanha da Fraternidade. Ambas as iniciativas receberam o mesmo lema “pão para quem tem fome”. Um dos grandes temas refletidos foi o cenário da fome apresentado como “um problema crucial”.


“Quase 40 anos depois contemplamos um triste e semelhante cenário. A cada dia fica mais evidente que a pandemia sanitária da Covid-19 agravou a situação de insegurança e vulnerabilidade social”, reforça o coordenador de campanhas da CNBB.


Na Fratelli Tutti, o Papa Francisco fala do escândalo da fome e chama o atual sistema de assassino: “As crises sociais, políticas e econômicas fazem morrer à fome milhões de crianças, já reduzidas a esqueletos humanos por causa da pobreza e da fome; reina um inaceitável silêncio internacional” (n.29).


O Santo Padre adverte ainda que “a política mundial não pode deixar de colocar entre seus objetivos principais e irrenunciáveis o eliminar efetivamente a fome. Com efeito, quando a especulação financeira condiciona o preço dos alimentos, tratando-os como uma mercadora qualquer, milhões de pessoas sofrem e morrem de fome… a fome é criminosa e a alimentação é um direito inalienável” (n.189).


1 visualização0 comentário